quinta-feira, 22 de maio de 2008

Saudades, Liberdades, Verdades...


Por vezes passa tão pouco tempo. E isso basta para que nos aperceba-mos que algo ou alguém nos é realmente importante. A minha amiga foi a África, ela afinal de contas é a África, com toda a sua paixão de viver e o seu bom coração. Foi livre e por lá irá ver outras verdades desta vida, aproveita-a Vanessa.
Entretanto dou comigo desapoiado. Onde está agora a pessoa com quem falo sempre? Onde está agora o meu "anjo da guarda"?
A quem conto eu agora as minhas ansias, os meus medos, a minha vontade de amar e de querer, todas essas coisas que se engolem e consomem umas ás outras bem dentro de mim.
É verdade amiga, vou ter que me aguentar sozinho, será uma aprendizagem, irá fazer-me bem, faz-me falta.
Sabes todos os meus segredos, também o ela o sabe amiga, também o ela o sabe...
Também ela sabe aquela parte de mim, que escreve quando tem que escrever, aquela parte de mim que transborda num turbilhão de sentimentos , e que desaba pelas falésias onde passo parte do meu tempo abaixo.
Mesmo que por vezes ela veja apenas números e figuras, equações e destinos que podem ser adivinhados, calculados e atingidos, já lhe vi o brilho nos olhos também. E acredita, agarrou-me bem dentro de mim todos aqueles sentimentos indomáveis.
Ela já me viu sonhar, tal como tu.
Achas que lhe deva oferecer as rosas perfeitas?
Por vezes parece-me bem, ela ensina-me uma coisa que eu já tinha esquecido, e que só contigo era capaz de fazer até à bem pouco tempo sabes.
Ela ensina-me a rir, aos poucos eu vou aprendendo, mas com ela é tão fácil, tão espontâneo.
Estejas onde estiveres, aproveita, terei certamente coisas para te contar, boas, terão que ser boas, e tu traz um bocado de África para nós que ficamos na Velha Europa, neste castelo do Mundo.
Nos dias em que me sentir magoado, nos dias em que me espetar sem querer nos picos daquela rosa, não me irei virar para ti, vai ser um desafio, mas vou ter que me aguentar pelos meus próprios meios.
Mas sim, tu sabes, tu sabes que tal como eu, pensas que qualquer rosa vale a pena a dor que os espinhos que nos podem dar, o que é isso comparado com o toque das suas pétalas? Ou o seu perfume?

Até Junho, e lembra-te traz-me um pouco de África, dessa África selvagem para me dar coragem...que eu cá me fico, neste País onde a terra acabada e o mar começa.

Ass: Russo

2 comentários:

Vanessa disse...

Amigo, quando voltar, partilho toda a felicidade que África me está a dar e contar-te-ei todas as peripécias.

Vanessa disse...

Amigo, quando voltar, partilho toda a felicidade que África me está a dar e contar-te-ei todas as peripécias.